Água- Vida no Universo

Existe vida fora da Terra? Por que procuramos água e não vida?

Algumas perguntas não se calam tão facilmente, algumas delas são: será que existe água líquida fora da Terra? Existe vida em outro lugar no universo? Para responder essas perguntas é preciso voltar no tempo, há 4 milhões de anos, quando a Terra estava sendo criada.

Ao contrário do que muitos acreditam, a água nem sempre esteve na superfície da Terra. Os astrônomos possuem algumas teorias sobre esse assunto, entre elas está a hipótese de que a água tenha sido trazida por asteroides. Para sustentar essa ideia, o cientista James Gorman explica que “Os asteroides levam moléculas de água ao redor do material rochoso” e ainda lembra que há 4 milhões de anos a Terra foi atingida por muitos asteroides “Um período conhecido como ‘bombardeio tardio’.” Diante disso, torna-se possível acreditar na existência de água em outros lugares do universo.

A água é muito importante para a criação e manutenção da vida. Para os seres humanos ela é vital, pois assim como a maioria dos organismos vivos que tem como um dos componentes principais a água, o corpo do ser humano é composto por mais de 70% de água.

Água- Vida no Universo

“Pensar que não estamos sozinhos no universo é assustador. Mas pensar que estamos sozinhos é apavorante.” Autor desconhecido.

Segundo o Professor e Coordenador de Biologia Enrique Campelo: “A vida, como a conhecemos, se originou na água e é absolutamente dependente dela.[…] a água é imprescindível como recurso natural renovável, sendo de suma importância para o desenvolvimento dos ecossistemas e vital para todos os seres vivos.[…] Os organismos são, portanto, adaptados ao ambiente aquoso e desenvolveram meios de explorar as raras e singulares propriedades da água.[…] Seres vivos podem ser encontrados onde existe água, desde em ambientes extremos como fontes hidrotermais próximas de crateras de vulcões, até em ambientes gelados como a Antártica.[…]  ”.

Depois de compreender que é possível encontrar água em outros lugares do universo, fica mais fácil enxergar os outros planetas e luas de um jeito diferente. Começando pelo satélite natural da Terra, a Lua, em que foi encontrada água na parte sul de uma de suas crateras. Existem algumas teorias sobre como aquela água foi parar lá e a que mais se destaca é a ideia de que a água foi criada a partir de impactos por meteoritos ou por partículas de energia com a interação do Sol.

Mas essa Lua que rodeia a Terra não é a única que talvez tenha água, isso porque em 2017, uma das luas de Saturno, Encélado, também levantou essa suspeita, quando a NASA publicou uma foto de água líquida sendo expelida de uma de suas crateras, o que pode indicar um mar gelado embaixo de sua superfície e que pode estar aquecendo o seu interior, graças a força gravitacional de Saturno. Isso foi muito animador para os cientistas, que logo levantaram hipóteses de que esse mar talvez possa sustentar a vida.

Porém não são só as luas que podem conter água. Cientistas encontraram indícios de água líquida, no planeta vermelho, Marte. Em 2015 a NASA conseguiu este feito, onde a Prof. Dr. Ralf Jaumann deu uma entrevista falando sobre o assunto, “Sim, encontramos água com alta concentração de sal na superfície de Marte. Mas apenas em pequena escala. […] Existem minerais no subsolo de Marte. Quando eles são dissolvidos, formam-se sais que também reagem com o gelo. Então, podemos afirmar que, se temos gelo com alta concentração salina e aumentamos a temperatura, deverá haver água líquida. Defendemos essa teoria já há um bom tempo”. Ela também afirmou que é só uma teoria e que a superfície de Marte tem uma grande concentração de sal, mas que dependendo da estação do ano tem cursos de lama maiores ou menores.

Além disso, em 2018, cientistas italianos descobriram lagos subterrâneos em Marte, porém não foi levado muito em consideração pois não se tinha provas concretas de suas existências. Entretanto, em 2020 veio a confirmação de quatro lagos na parte sul do planeta, o principal e maior com 30 quilômetros, os outros três com 1,5 quilômetros de margem a margem, que estão sendo chamados de subglaciais por estarem embaixo de camadas de gelo. Essa descoberta tem alguns problemas e preocupações, o principal deles é que essa água deve ser muito salgada, por conta de sua superfície, e dependendo da quantidade de sal é improvável que tenha vida. Já a outra preocupação é que as sondas que supervisionam o planeta não detectaram sinal de calor, o que pode ser um problema, quando relacionado a vida.

Os astrônomos estão utilizando o Telescópio espacial Hubble para coletar dados do exoplaneta, planeta descoberto em outro sistema solar, que possuí duas vezes o tamanho da Terra. Em 2014 encontraram indícios de água e sinal visível de vapor de água, além de descobrirem que sua atmosfera pode permitir a formação de gotas de água líquida e talvez de chuva. Um astrônomo da University College London, Angelos Tsiaras afirmou que, “No momento, esse é o único planeta que conhecemos fora do nosso sistema solar que tem a temperatura correta para ter água, tem atmosfera e água nele — tornando-no o melhor candidato para habitação que conhecemos até agora,”.

Para descobrirem água no K2-18b, os astrônomos observaram o exoplaneta quando ele passava em frente a sua estrela, a cada 33 dias, porque a luz da estrela atravessa sua atmosfera, mas tem partes da atmosfera que essa luz não atravessa, nas partes que contém compostos químicos que adsorvem a luz, a água absorve a luz ao infravermelho, deixando assim o vapor de água visível. Depois dessa descoberta, os astrônomos vão continuar observando e estudando o K2-18b, com o Telescópio espacial Hublle e outros dois, o Telescópio Espacial James Webb da NASA e o futuro Telescópio espacial ARIEL da Agência Espacial Europeia, que conseguem captar gases atmosféricos que o Hubble não detecta, como a amônia, o metano, o dióxido de carbono e talvez marcadores químicos que indiquem vida.

Apesar da existência de vida em outros planetas e galáxias ainda não ser comprovada, é indubitável a possibilidade de que realmente existam extraterrestres. Por isso, é preciso olhar para o espaço de uma maneira diferente…

Fontes e material que você pode consultar para saber mais sobre o tema

Agrela, L., & Vitorio, T. (26 de outubro, 2020). Água na Lua, vida em Vênus: descobertas fascinantes da astronomia em 2020. Obtido de https://exame.com/

Billings, L. (2020). Astrônomos encontram água em exoplaneta com duas vezes o tamanho da Terra. Scientific American Brasil. Obtido de https://sciam.com.br

Campelo, E. (s.d.). Por que a água é uma das coisas mais preciosas do Universo. Obtido de https://sistemadeensinoequipe.com.br/

Canaltech. (2 de Janeiro, 2018). Foto mostra lua de Saturno jorrando água em estado líquido. Obtido de https://canaltech.com.br/

Carbinatto, B. (29 de setembro, 2020). Lagos de água líquida são encontrados abaixo da superfície de Marte. Super Interesante. Obtido de https://super.abril.com.br/

De Tilt, em São Paulo. (27 de fevereiro, 2020). Exoplaneta oito vezes maior que Terra pode ter condições para abrigar vida. Obtido de https://www.uol.com.br/

FIMCA, Centro Universitario. (31 de agosto, 2020). Qual a importância da água para o corpo? Obtido de https://www.fimca.com.br/

Greshko, M. (14 de setembro, 2019). Água encontrada em planeta alienígena com condições para abrigar vida. National Geographic. Obtido de https://www.nationalgeographicbrasil.com/

Osterath, B. (29 de setembro, 2015). “Onde há água, existe a possibilidade de vida”. DW. Obtido de https://www.dw.com/

 Redação Galileu. (27 de fevereiro, 2020). Exoplaneta com dobro do tamanho da Terra tem água e pode ser habitável. Obtido de https://revistagalileu.globo.com/

Szafran, V. (22 de junho, 2020). Saiba como Plutão tem oceano líquido mesmo tão longe do Sol. Olhar Digital. Obtido de https://olhardigital.com.br/

Tilt. (3 de junho, 2018). De onde veio a água da Terra? Os astrônomos têm uma teoria. Obtido de https://www.uol.com.br/