Nascentes em São Paulo

Nascentes não são só o início da vida dos rios

Por Leticia Borges de Campos

Uma nascente é o local onde o curso da água se inicia. Ela se forma pela água da chuva ou do derretimento de geleiras e são capazes de produzir mais de 45 mil litros de água potável por dia. Além disso, as nascentes são fontes de água pura e de vida.

Suas características são geralmente encontradas nas cabeceiras dos rios, no acúmulo de água no local, na formação de relevos perto no lugar e no fluir de água constante.

Existem dois tipos de nascentes quanto a sua posição: as fixas, que não mudam de lugar ao longo do tempo; e as móveis, aquelas que mudam de lugar dependendo da quantidade de chuva no local.

De acordo com a fundação Centro Tecnológico de Hidráulica (FCTH) “A estimativa do número de nascentes são 10.300” na cidade de São Paulo.

A principal nascente do estado de São Paulo é a do rio Tietê, localizada em Salesópolis, que é preservada pelo Parque Nascente do Tietê. Fica a 22 quilômetros do oceano e o rio corre a 1.100 quilômetros.

“Na natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”,
Antonie Lavoisier (1743-1794)

Nascente do rio Tietê em Salesópolis, São Paulo.

Nascente do rio Tietê em Salesópolis, São Paulo.

Outro rio que é muito importante para a cidade de São Paulo é o rio Pinheiros, que é formado por dois outros rios: o rio Guarapiranga, onde é sua nascente, e pelo rio Jurubatuba. Ele corre 24km e desagua no rio Tietê.

Em volta das nascentes é construído uma caixa de pedras para proteger e filtrar a água. Como elas podem secar e morrer por conta do mal uso do território, como construções e asfalto, é preciso preservar a sua volta, limpar e cercar o local.

A nascentes são de extrema importância para a natureza, entretanto não possuem a devida atenção da população.

Quais são os tipos de nascentes?

Nascentes perenes, são as que produzem água o ano todo.

Nascentes intermitentes, são as que produzem somente na época chuvosa.

Nascentes efêmeras aparecem durante as chuvas, mas só duram alguns dias e depois desaparecem.

A conservação das nascentes é essencial para o abastecimento de grande parte das cidades, contribui em muito na produção de alimentos e abastecimento da população.

Bibliografia e fontes que você pode consultar para saber mais sobre o tema

Associação de Engenheiros Politécnicos. (28 de junho, 2020). CTH levanta dados sobre nascentes e rios de São Paulo. Obtido de https://www.politecnicos.org.br/cthlevantadados/

Cursos CP. (n.d.). Nascentes – importância, processo de recuperação e conservação da água. Obtido de https://www.cpt.com.br/

Mundo Educação. (s.d.). Rio Tietê. Obtido de https://mundoeducacao.uol.com.br

Priscila-Da-Silva, J. (2018). Recuperação da área de preservação permanente de nascentes, no bairro jardim América, Paraíso do Tocantins. Obtido de http://arquivos.ambiente.sp.gov.br

Rideo-Sampaio, J., & Cristiane-Torres, E. (2016). Proteção de nascentes. Obtido de http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br

Toledo, M. (9 de outubro, 2019). 5 curiosidades sobre a história do Rio Pinheiros. Os Reporteres do Rio Pinheiros. Obtido de https://blog.jovempan.com.br/

Wikipedia. (n.d.). Rio Tietê. Obtido de https://pt.wikipedia.org/wiki/

Wikipedia. (n.d.). Rio Jurubatuba. Obtido de https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Jurubatuba

Yarak, A. (24 de outubro, 2017). Clique Ciência: Por que e como se formam as nascentes de água? Tilt Vol. Obtido de https://www.uol.com.br/