Principais riscos da mudanças climáticas em Campeche

 

 

    

Autor pode ser contactado por meio do email: This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

 


Referências:

Mudanças Climáticas em Campeche

A mudança climática está presente em nosso planeta há milhares de anos; no entanto, nas últimas décadas, o curso deste fenômeno tem sido acelerado por conta das atividades humanas, convertendo-se atualmente nas principais ameaças e desafios que o ser humano enfrenta.

Recentemente, temos testemunhado os efeitos desse fenômeno em muitos países em todo o globo.

As modificações das temporadas de chuva, aumento da força das tempestades, furacões, nevascas e as geladas são alguns dos exemplos mais notáveis.

Muitos estados da república mexicana tem sofrido o impacto das constantes alterações no comportamento climático de seus territórios; perda de colheitas devido à seca, chuva excessiva, e até mesmo neve são alguns dos problemas mais comuns e têm gerado dano económico, ambiental e social nessas regiões.

Devido a suas características geográficas, Campeche é uma das entidades com maior vulnerabilidade aos efeitos das mudanças climáticas. De acordo com o último Censo do Instituto Nacional de Estatística e Geografia (INEGI), Campeche conta com 822 441 habitantes, dos quais 450 000 estão em zonas vulneráveis.

Quais são os principais riscos que Campeche apresenta em relação da mudança climática?

  1. Zonas costeiras
  2. Aumento da temperatura
  3. Fenómenos naturais
  4. Perda da agua doce

Sendo um estado costeiro, Campeche se encontra em uma posição de maior risco em relação ao aumento dos níveis do mar no planeta. De acordo com as Ações Unidas, o nível dos oceanos poderia aumentar entre 18 e 60 cm nos próximos 90 anos, afetando a maneira drástica para as comunidades do entorno do mar, causando perda de casas e deslocamentos humanos; da mesma forma, ele irá gerar danos aos ecossistemas costeiros devido à erosão da praia; desaparecerão espécies ameaçadas, como tartarugas marinhas; e será visto o impacto nas atividades produtivas, como a pesca e na indústria petroleira.

O aumento da temperatura é um fator que na atualidade fez do Estado um dos mais quentes do país, com temperaturas que alcançam e inclusive passam dos 45°C. Este drástico incremento, impacta na população, ocasiona a norte de muitas pessoas e esécies de animais por desidratação ou “golpes de calor”.

Por outro lado, as elevadas temperaturas, juntamente com a contaminação por resíduos sólidos, são a causa principal de incêndios florestais, que põem em risco as comunidades rurais, e constituem uma ameaça permanente para a

Biodiversidade e os ecossistemas .

Para finalizar, o incremento da temperatura também provoca um importante aumento das taxas de evaporação nos corpos de agua doce, com a consequente perda de espécies de flora e fauna.

Campeche se encontra em uma zona geográfica cercada por furacões e tempestades tropicais. As estimativas científicas sugerem que o aumento da quantidade de força desses fenómenos nos próximos anos, o qual provocaria um dano severo na economia e infraestrutura local devido as inundações, perda de heranças, deslocamento da população e dano ao ecossistema.

Na atualidade, já se podem apreciar evidencias dos efeitos da mudança climática, como a alteração das tempestades de chuva e seca, que tem causado enormes prejuízos nos setores agrícolas e fazendeiros locais.

É uma realidade que a mudança climática afeta o ciclo natural da agua, e terá um impacto direto na qualidade e quantidade de agua doce que existe atualmente no planeta, ocasionando um desequilíbrio ecológico de grandes proporções. Campeche, devido a sua origem geológica, conta com duas características muito particulares e que compartilha com o resto da península Yucatán: perto das águas subterrâneas para a superfície e elevada capacidade de filtragem do solo; no entanto, tais peculiaridades põem em risco os corpos de agua doce da região devido, em especial, ao aumento do nível do mar, que alteraria a concentração de sais que contêm águas subterrâneas em áreas costeiras, ocasionando um desequilíbrio nos ecossistemas da região.

Outro efeito direto da escassez da agua doce irá refletir nos processos produtivos da região, que no caso de Campeche são agricultura e pecuária, pilares da economia.

Ao diminuir a quantidade de agua doce necessária para fazer crescer os cultivos e o gado, os produtores sofreram perdas económicas, e portanto, haverá produtos mais caros derivados de tais atividades, a grande maioria indispensável para o consumo da

População. Isto, por sua vez, vai levar a problemas sociais, como a desnutrição e a pobreza. E será indispensável gerar programas e estratégias que melhorem essas situações.

O que fazer diante desses problemas?

É extremamente importante, que antes desses riscos se estabeleça estratégias de mitigação e adaptação às mudanças.

Centros de investigação científica, universidades e instancias governamentais investiram há alguns anos em projetos de investigação, e na elaboração e implementação de estratégias de educação e sensibilização para a cidadania, no entanto, é necessário incrementar esses fundos e investimentos para o acompanhamento e continuidade a esas ações.

Da mesma forma, é muito importante a participação da população em atividades de conservação ambiental, a fim de gerar uma maior consciência sobre a importância e necessidade de cuidar dos nossos recursos naturais, com ações de educação ambiental que promovam respeito pelo meio ambiente e a diminuição da nossa matriz ecológica.

TRADUZIDO POR MANUELLA  JANONI

 

Banco Mundial
INEGI
Organización de las Naciones Unidas

 

 

ana ces cetis12 catedra ConsejoEstataldeInvestigacio nCienti ficayDesarrolloTecnolo gico dgdcunam universum rede de educacao
   ConsejoConsultivo

 

agua-org

 

 

la-vida-es-agua

 
palacio
 inecc